Parasitas provocam falhas na atividade reprodutiva bovina

Reportagem do Jornal O Presente Rural agosto/setembro 2018
Entrevistada: Gerente técnica da Noxon Saúde Animal, Dra.Daniela Miyasaka

 

Os parasitas podem causar grandes estragos no período reprodutivo nas fazendas brasileiras, tanto para a pecuária de corte como a de leite. Um estudo publicado em 2014 mos- tra que moscas, carrapatos e vermes podem custar mais de US$ 12 bilhões por ano para a bovinocultura. E o pior: eles são frequentes.

Para a doutora Daniela Miyasaka Cassol, médica veterinária e gerente Técnica Saúde Animal / Pesquisa Desenvolvimento e Inova- ção da Noxon Saúde Animal, de Cravinhos, SP, assim como deficiências de proteínas, minerais, vitaminas, aminoácidos, energia, o estresse térmico e as doenças infecciosas, “as doenças parasitárias provocam falhas na atividade reprodutiva bovina”.

Existem os parasitas internos e externos, mas ambos trazem enormes prejuízos. “Os parasitos internos são os vermes gastrintesti- nais e os parasitos que acometem os pulmões dos bovinos. Os principais atacam o abomaso (estômago – Trichostrongylus axei, Haemon- chus sp e Ostertagia sp.), o intestino delgado – T. colubriformis, Strongyloides papillosus, Toxocara vitulorum, Cooperia sp, Nematodirus sp, Bunostomun sp e Moniezia sp., o intestino grosso – Oesophagostomun sp, Trichuris sp., e o pulmão – Dictyocaulus viviparus”, cita.

De acordo com a doutora Daniela, os principais sinais clínicos das verminoses em geral incluem retardo do crescimento, diarreias, hiporexia (diminuição do apetite), pelos ar- repiados, desidratação, diminuição da produtividade, infecção bacteriana secundária e pneumonia. Ela cita um estudo que “diz que o potencial impacto econômico dos nematódeos gastrintestinais é de US$ 7,11 bilhões por ano”.

Os nomes dos parasitas externos são mais fáceis de dizer, mas são tão nocivos quanto os internos. “Os principais parasitos externos são carrapatos, bernes, mosca-dos- chifres, bicheiras e mosca-dos- estábulos. A mosca-dos-chifres tem o hábito alimentar hematófago (sugam sangue). Ela pica os animais de 25 a 40 vezes por dia (aproximadamente) e cada sucção pode durar de quatro a cinco minutos. O principal problema desta mosca é a irritação que ela causa aos animais, gerando estresse. Uma infestação média de 500 moscas leva a perda de 40 quilos por animal ao ano e 150 litros de leite (durante toda a lactação) devido à perda de sangue e aos efeitos irritantes de sua picada. Ela também cau- sa danos ao couro do animal. O potencial impacto econômico da mosca-dos-chifres é de US$ 2,56 bilhões/ano”, destaca.

O carrapato causa prejuízos em duas frentes, comenta a especialista. “Os prejuízos causados pelos carrapatos podem ocorrer de forma direta, pelo efeito da picada, e entre as consequências estão a irritação e perda de sangue (acarretando na redução de peso e da produção de leite). As lesões de pele causadas pelos carrapatos, além de serem prejudiciais às indústrias do couro, com repercussão no preço final do produto, são portas de entra- da de bactérias e larvas de moscas (bernes e miíases)”, cita a primeira. “Devido à espoliação constante a que são submetidos os bovinos parasitados, a quantidade de sangue ingerido por uma teleógina (fêmea ingurgitada) varia de 0,3 a 0,5ml. Pesquisadores estimaram a perda média de peso de um bovino, após ser picado por 1,4 mil carrapatos, em 1kg de peso vivo”, amplia.

 

Carrapato-do-boi

O carrapato causa problemas também pela “forma indireta, na transmissão de doenças, tais como a “Tristeza Parasitária Bovina (TPB)”. “Além dos gastos com medicamentos, manejo, mão-de-obra especializada e perda de animais, que podem vir a óbito”, menciona.

“O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em levantamento nacional realizado em 1983/84, estimou em um US$ 1 bilhão anuais os prejuízos causados pelo carrapato-do-boi no Brasil, sendo 40% desse total relativo à diminuição da produção de leite. Foi constatada a presença deste parasito durante os 12 meses do ano em 66,04% dos 2.048 munícipios investigados, e o carrapato foi mais frequente que o berne e a bicheira em 61,24% das vezes”, cita. “O potencial impacto econômico dos carrapatos fica em US$ 3,24 bilhões de dólares/ano” emenda.

Na reprodução

De acordo com a médica veterinária, é possível afirmar que as parasitoses causam problemas no período reprodutivo. “As deficiências de proteínas, minerais, vitaminas, aminoácidos, energia, o estresse térmico, as doenças infecciosas e parasitárias provocam fa- lhas na atividade reprodutiva bovina, entre elas distúrbios do cio, alterações no ciclo reprodutivo, até a ocorrência de abortos. As verminoses afetam o crescimento dos animais jovens, atrasam sua puberdade e a idade ao primeiro acasalamento. O carrapato, a mosca-dos-chifres e as larvas do berne causam perdas de desempenho, tanto pelo parasitismo direto como pela transmissão de doenças e estresse, o que leva à redução do apetite e peso, alterações na secreção de hormônios e no desejo sexual (libido)”, comenta.

Ela destaca que bezerros novos são mais suscetíveis aos parasitos. “A partir dos três meses de idade é importante atentar-se às verminoses. Bovinos com idade até dois anos são sensíveis a esta parasitose e por isto devem receber atenção especial. Como as larvas dos vermes estão nas pastagens, os animais em sistema de pastejo se infectam continuamente. Em relação aos carrapatos, cuidado especial deve ser dado, pois eles podem ser acometidos pela Tristeza Parasitária Bovina”, orienta a profisisonal.

Diagnóstico

Para realizar o diagnóstico, menciona, é importante associar os sinais clínicos aos exames laboratoriais. “O exame parasitológico de fezes estima a carga parasitária por meio da contagem dos ovos presentes em quantidade conhecida de fezes (OPG). A coprocultura também pode ser recomendada. O hemograma possui grande valor diagnóstico, uma vez que nas verminoses podem ocorrer anemias severas, leucocitose e eosinofilia”, cita, ampliando: “Caso o animal venha a óbito os vermes adultos são vistos no intestino delgado, intestino grosso, traqueia e brônquios. Como diagnóstico diferencial, pode ser realizada a pesquisa por Clostridium sp, Salmonella sp, Escherichia coli e Shigella sp, pois são agentes causadores das diarreias em bovinos”, explica.

 

Helmintos em bovinos

Controle

Para a estudiosa, o controle estratégico reduz a contaminação das pastagens e deve ser repetido anualmente, em épocas previamente determinadas. “Assim, controlar significa prevenir doenças e perdas econômicas. Para ajudar os pecuaristas a controlarem as verminoses nos bovinos, recomendam-se alguns produtos de uso injetável: Ivermectina 1%, Ivermectina 1% + ADE, Ivermectina 3,5% (longa ação), Abamectina 1%, Abamectina 1% + ADE, Fosfato de Levamizole (22,3%), Sulfóxido de Albendazol (13,6%), entre outros. Ivermectina Pour on (1%) também pode ser utilizada”, assinala.

Para bezerros recém-nascidos, orienta, é preciso “vermifugar logo após o nascimento com Ivermectina 1%, Ivermectina 1% + ADE, Sulfóxido de Albendazol 13,60%. A partir dos dois a três meses até o desmame recomenda-se vermifugar a cada 60 ou 90 dias”.

Já para bezerros na desmama a recomendação indica “Ivermectina Injetável 3,5% (longa ação), Ivermectina 1%, Abamectina 1% + ADE, Fosfato de Levamizole Injetável (22,3%). “Na cria e recria, deve-se vermifugar nos meses de maio e novembro com Ivermectina Injetável 3,5% (longa ação)”.

Para vacas prenhes, “é preciso tratar uma vez ao ano, com produtos à base de Ivermectina 3,5% (longa ação), Ivermectina 1% + ADE, Abamectina 1% + ADE. Trinta dias antes da data prevista para o parto, vermifugar os animais com Sulfóxido de Albendazole 13,60%”.

“Já bovinos na engorda (terminação), vermifugar os animais antes da entrada em pastagens vedadas utilizando Ivermectina 1% + ADE ou Abamectina 1% + ADE. Nos animais em confinamentos aplicar Sulfóxido de Albendazol injetável 13,60%, cita. “É importante respeitar os períodos de carência dos produtos”, frisa.

Principais ativos recomendados

Confira os principais princípios ativos utilizados:

  • Pour-on: Cipermetrina 6% + Clorpirifós 7% + Citronelal 0,5%. Fluazuron 3% + Clorpirifós 7% + Ciermetrina 6% + Citronelal 0,5% + Butóxido de Piperonila 5%. Fluazuron 3% + Abamectina 0,6%. Ivermectina 1%
  • Pulverização: Cipermetrina 15% + Clorpirifós 25% + Citronelal 1%. Cipermetrina 15%. Amitraz 12,5%
  • Injetáveis: Abamectina 1%. Ivermectina 1%. Abamectina 1% + ADE. Ivermectina 1% + ADE. Ivermectina 3,5%

Controle estratégico dos carrapatos

Para o controle estratégico dos carrapatos, destaca a profissional, “é importante consultar o técnico (médico veterinário) para que ele possa adotar o melhor protocolo antiparasitário para cada propriedade rural. A escolha correta do carrapaticida, as frequências das aplicações dos produtos de uso veterinário, administração das doses corretas, com produtos eficazes, seguros e de alta qualidade são fundamentais para cada fase”.

De acordo com ela, o teste de sensibilidade do carrapaticida (“Biocarrapaticidograma”) é fornecido gratuitamente pela Embrapa Gado de Leite e deve ser utilizado com intuito de verificar qual “base química” deve ser utilizada da melhor forma nas propriedades. Informações de como realizar a colheita e o envio destes materiais podem ser consultados diretamente com a Embrapa Gado de Leite de Juiz de Fora, MG”, comenta.

Boas práticas

Para a doutora Daniela, boas práticas de manejo, nutrição adequada, genética de qualidade e adoção de programas sanitários estratégicos e adequados são fatores primordiais para o bom desempenho da pecuária brasileira.

Ela ressalta a importância do apoio profissional para o controle das parasitoses. “Consulte sempre o médico veterinário. Siga corretamente as orientações descritas nas bulas dos produtos. Temos que obedecer às boas práticas de aplicação de produtos de uso veterinário”, orienta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *