Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Piomontesa

A raça Piemontesa foi introduzida no Brasil em 1974, em Araçatuba, São Paulo. Nesse mesmo ano, foi fundada a Associação Brasileira de Criadores da Raça Piemontesa.

A raça Piemontesa apresenta uma produção leiteira média de 2.300 litros em 305 dias, com recordes de 5.000 litros. São famosos os queijos produzidos com o leite da raça, tais como Bra e Castelmagno, seguidos por Murozzano e Raschera.

Os machos pesam em média entre 750 e 900 kg e as fêmeas entre 450 e 600 kg. Na Itália ou em outros países, é uma raça de fácil engorda.

Ultrapassa facilmente os 600 kg aos 18 meses de idade. O destaque é dado para os animais de musculatura dupla (variedade Alba), que representam a maioria do rebanho e cujos primeiros registros são de 1886, embora novos estudos tenham começado em 1926.

O gado de dupla musculatura (hipertrofia muscular) produz 10% a mais de rendimento, segundo pesquisadores do mundo inteiro. Em geral, o Piemontês garante um rendimento de carcaça acima de 65%, podendo chegar a 72%.

O rendimento de músculos chega a 84%, significando 432 kg de carcaça aos 16 meses de idade.

A análise química da carne mostra que a média de colesterol no Piemontês é de 44,0 mg para cada bife de 100 gramas, enquanto que a média dos bovinos em geral é de 63,9% ( suínos = 79,0 mg; frangos = 74,0 mg; vitelo = 84,0 mg). Um bife de 100 gramas apresenta 2,9 gramas de gordura, contra 0,87 gramas na raça Piemontês.

Origem

O gado Piemontês é originário da região alpina do norte da Itália denominada Piemonte. No seu sangue estão o Zebu e o gado nativo da região. Em 1886 os fazendeiros italianos notaram desenvolvimento de traços da característica conhecida como musculatura dupla, e logo reconheceram a vantagem para produção de carne. Somente 2% dos animais que ingressam no centro genético italiano, são aprovados para serem doadores de sêmen.

Características

O gado Piemontês atual é o melhor exemplo da característica de dupla musculatura, com ossos e pele fina. Como resultado o Piemontês tem o melhor rendimento de carcaça e melhor porcentagem de cortes de todas as raças. O Piemontês é uma raça moderna. Sua produção de carne é diferenciada porque agrada os consumidores e atende as exigências dos produtores. Há tendências que no futuro dominarão as raças (como Piemontês) que apresentem bom rendimento a qualquer idade, precocidade, alta conversão alimentar e produzem carne com baixo teor de gordura. A habilidade materna e uma boa produção de leite são também características dominantes nas fêmeas mestiças.